4 de ago de 2009

mais praia

domingo, minha mãe teve a (infeliz) ideia (que eu teimo em escrever com acento) de caminhar na praia.
gente, aquela praia, onde a gente fazia churrasco, imunda, nojenta, fedida! sabe cheiro de caminhão de lixo? aquele. também, com todo aquele lixo, difícil era ser diferente! um nojo!
pior, né? uma tartaruga marinha morta, indo e vindo com as ondas. ai, gente, como aquilo doeu na minha alma, viu!
se fosse uma pessoa, talvez eu não sentisse tanto.
hauahuahauahuaaha. é brincadeira, tá. se fosse uma pessoa eu, provavelmente, estaria vendo o espírito da pessoa me rondando. ui.

enfim.
hoje fomos para a praia boa. (depois coloco fotos que hoje está tarde)
quando a gente chegou, estava tudo bom. e chegamos depois do meio dia.
às 6, quando estávamos indo embora, o lugar estava imundo!!!! gente, que absurdo é esse?????
só japonês, e cada japonês deve ter jogado, pelo menos, uma sacolinha cheia de lixo por lá, porque não é possível!!!! Eu tentei recolher, mas a minha sacola encheu em menos de 5 minutos! que horror!!!!

eu cheguei à conclusão de que os japoneses só fazem aquilo que são obrigados, aquilo que vai afetar diretamente e hoje a vida deles. tipo, separar o lixo, eles separam, mas porque são obrigados e porque o japão não tem espaço para lixões. mas jogar na beira da praia, pode, porque vai tudo pra onde eles não vêem, mesmo.
puta olhinho pequeno do caraio.

sabe?
eu já sabia que era o povo mais sem noção que existe, mas noooossa.... está me doendo na alma e nas costas, viu.
tudo bem, é o país da caça às baleias, das lojinhas de 100 ienes, das meninas que fazem programa para comprar uma bolsa de marca, o que eu posso esperar dele?
ah, mas eu esperava mais, viu.

5 comentários:

Mári disse...

Affe! Que tristeza.
Eu também tinha um melhor conceito dos japas.
Bjos!

Pira disse...

E eu aqui fico escutando que aí que é primeiro mundo...

Pamela Antonieta disse...

nossa que horror.
Eu achava que não tinha nada disso por ai.
As pessoas falam tão bem da terrinha.
que feio pessoas, é isso que vamos mostrar para nossos filhos nos próximos livros de história, um povo sujo, que não soube viver e ficou doente na própria sujeira.
Então eu preciso das fibras da linhaça mesmo, e não demora muito para consumir, eu não trituro tudo.
bjs

Tati disse...

Aiiiii que nojoooooooooo!! A pior parte foi a da tartaruga... Parece Itanhaém, que um dia encontramos um pinguim morto na praia!!! ahuahauah

Que nojo... Que nojo. Que nojo... Ai tá até me virando o estômago... Povo porco... Pior é se drogar e deixar a seringa na areia... Nheca

Fabiola disse...

ai que triste! que horror!