2 de ago de 2005

Minha mãe

Ela é um mulherão. Não em tamanho. Mas um mulherão.
Ela toma as dores de todo mundo que ela ama. Ela luta por tudo o que ela acha certo. Ela fala umas coisas, às vezes, que são difíceis de aceitas, mas fala.
Ela é do tipo que tem aquela cabecinha fechada. Mas quando alguma coisa é importante pra mim ou pra minha irmã, ela pára, ouve, pensa e aceita.
Ela faz tudo pra que as filhas e os netos tenham tudo. E que nunca sofram.
Ela é do tipo que briga com policial porque o policial xingou um velhinho. Briga com motorista de ônibus porque não abriu a porta pro velhinho. Que sai na mão com qualquer um que esteja cometendo uma injustiça.
Ela levou a casa sozinha por anos. Trabalhou em 3 empregos, ainda cuidou de mim e da minha irmã, lavou e passou roupa, cozinhou, levou pra escola, deu banho, brincou.
Ela tenta ajudar todo mundo. Quase sempre não consegue nem um "obrigado". Mas continua.
Ela é teimosa. E não pára enquanto não consegue o que quer.
Ela consegue amigos de verdade. Daqueles que fazem qualquer coisa por você.

Alguns anos atrás, entraram na nossa loja de madrugada e levaram tudo. Tudo. Todos os CDs, os aparelhos de som, as camisetas, tudo. Só deixaram as velas.
E esses dias, entraram na loja de roupa que fica bem atrás da loja da minha mãe. Agora, decidiu que vai dormir na loja. Dentro da loja. Trancada por fora. Sim. E não tem quem tire isso da cabeça dela.

Um comentário:

Bhuda disse...

moreco, realmente a sua mãe e uma coisa viu...
nunca vi ninguém igual...
eu a admiro muito...

e eu puxando saco da sogra hein.. ehhehehe