7 de jan de 2015

um pouco mais sobre o pé.

um mês e uma semana depois da fratura, estou quase boa.

ainda não posso andar muito sem descansar. por exemplo, vou ao mercado, mas preciso sentar logo na saída E usar muleta pra ajudar quando meu chuchu pé começa a doer. e depois, é chegar em casa e elevar, elevar, elevar os pezinhos até desincharem.

mas já consigo subir e descer escadas SEM muleta.
só quem precisava se agarrar no corrimão todo molhado em dia de chuva pra descer ou subir a escada vai entender minha alegria.

consigo tomar banho de pé.
só quem passou 3 meses tendo que ficar virando pra lá e pra cá pra conseguir lavar a bunda sentada vai entender.

consigo andar na areia.
sintam a alegria da pessoa revigorada depois de um banho de mar.

consigo carregar coisas.
ahan. porque, obviamente, não dá pra carregar uma xícara de chá tendo que usar muletas.

consigo sentar no chão e levantar sozinha.
e isso quer dizer que posso voltar a cos-tu-rar!

consigo até fazer as coisas chatas: cozinhar, limpar a mesa, tirar pó, varrer.

o que eu não consigo fazer, ainda, é correr. ou pular. ou andar rápido. ou andar direito. nem ficar na ponta dos pés.

estou fazendo fisioterapia desde dezembro. o médico tosco disse que eu não precisava, que ia ficar bom de qualquer jeito. mas não ficou. doía, eu achava que tudo ia fazer o pé re-quebrar, não tinha (nem tenho) muita segurança no que ele falou. segundo ele, eu já poderia estar correndo. há uma semana. há. quando eu só me livrei (quase) da muleta semana passada. fofo.
a fisioterapeuta é meio sem paciência. é terapia de choque. ou vai ou racha. mas acho que, comigo, teria que ser assim, senão eu nunca ia ficar de pé, com medo.
porque, na próxima fratura, certeza que vou pra faca.
quer dizer, se houver próxima fratura, que não vai. já que decidi que nunca mais vou fazer coisas perigosas como atravessar a rua.

antes de ontem já consegui ficar com a coral (16,1kg) no colo por meia hora dançando pra ela acalmar em uma crise de dor de barriga da pobrezinha. coisas que só uma mãe vai conseguir. e depois senti meu pobre pé não cabendo mais na meia.
foi engraçado porque minha meia era de bolinhas e o ex pé quebrado ficou com todas as marcas das bolinhas.
mas também, chegamos em casa e eu desmaiei e ela desmaiou junto. por horas. quando acordei, meu pé estava dolorido, mas lindo. sem bolinhas, digo.

ainda sinto ele inchado, principalmente na parte de baixo. especialmente se foi algum dia em que eu não deitei por mais de 2 horas no meio do dia. ou se eu ando mais de 10 minutos.
também sinto doer no lugar da fratura quando eu faço os exercícios de fisioterapia.

só que eu aprendi a ouvir o meu pé. oh yeah. ele manda, eu obedeço. se sinto dor, paro. a não ser quando tive que ficar ninando a coral.

eu fiquei com o pé engessado por 6 semanas, depois mais duas de bota. e, segundo o médico, eu poderia jogar fora depois disso. mas eu continei usando, por exemplo, pra dormir e quando eu ia andar, porque doía se eu ficasse sem. depois, comecei a fisioterapia e tirei a bota aos poucos. foi libertador.

e hoje, estou completando duas semanas sem bota.
ela está lá, esquecida, no carro. só lembro dela quando vou entrar no carro e vejo a coisa lá.

2 comentários:

luamorzinha disse...

Caraca, Pérola está pesando 15,5 kgs. hahahahahahaha! Será que as roupas pequenas da Pérola ainda servem nela???

luamorzinha disse...

Ops... era para sair 16,5 kgs. hahahahahaha